Faça um blogueiro feliz, comente!

sexta-feira, 1 de junho de 2007

Se for, parem as prensas

O que é palavrão? Uma palavra grande e que se
pronuncia dificilmente. Essa resposta com certeza veio à mente das pessoas mais
cínicas e que gostam de provocar, mas não está incorreta, essa definição está
no dicionário. Porém o significado que logo se pensa é da palavra inadequada,
obscena, e isso que se discute. O que é obsceno? Inapropriado? Tudo depende do
ponto de vista, da colocação e claro, da intenção de se falar, ou escrever.

Falar palavrão sempre foi tabu, dentro de casa, na
sala de aula, no trabalho, ou em qualquer ambiente reservado, mas na roda de amigos, no papo do bar, no lugar mais informal o palavrão é sempre complemento, “o carro é do caralho!”, “a mulher é do cacete!”, “um puta time”, “uma dor filha da puta” e outros exemplos que podem ser facilmente dados. A língua muda com o passar do tempo, exemplo é o você que já foi Vossa Senhoria, se a internet continuar desse jeito vai acabar indo para vc. A língua é mutável, de acordo com a forma que a usamos.

Portanto puta – ou qualquer outro palavrão – é uma palavra que pode significar várias coisas, até mesmo “a profissão mais antiga do mundo”, como também uma forma de adjetivar algo ou alguém, caracterizar algo. O problema maior é o pudor das pessoas, que por crença seja ela religiosa ou não, sente “medo” dessas palavras.

Um dois maiores autores mundias, Gabriel Garcia Márquez tem um livro com a palavra puta no título – “Memórias de minhas putas tristes” – e Carlos Drummond de Andrade um poema sobre elas – “A Puta” – por que a besteira de achar que as palavras vão manchar algo, puta é arte, é
benção, é prazer e às vezes é tudo.

O mesmo autor, Drummond tinha visto uma pedra em seu caminho, mas a puta é o melhor. “Quero conhecer a puta. A puta da cidade. A única. A fornecedora. Na rua de Baixo Onde é proibido passar. Onde o ar é vidro ardendo E labaredas torram a língua De quem disser: Eu quero A puta Quero a puta quero a puta”.

Um comentário:

Gabriel Cunha disse...

Eu particularmente não sou fã de textos quaisquer, mas gostei muito do seu.